É o grande problema interior, aquele de cada um e de todos. É o problema da alma, que descobre em si mesma um abismo de trevas e de luz, que se contempla com uma mistura de encantamento e de pavor e se diz: "Eu não sou deste mundo, pois ele não é suficiente para me explicar".
Os grandes Iniciados- Édouard Schuré

5 de dez de 2011

Criatividade...

05/12/2011
5+3+4=
3



Hoje eu manifesto a criatividade e me expresso em alegria...
Me conecto a tudo o que realmente existe e deixo a cura acontecer...
Me liberto...


Por exemplo, existe um motivo, nas histórias de índios americanos, que eu chamo de “a
recusa de pretendentes”. Temos uma jovem, bela e formosa, e um jovem lhe propõe
casamento. “Não, não”, ela diz, “não há ninguém suficientemente bom para mim, por
aqui.” Aí aparece uma serpente; ou, se for um rapaz que não quer nada com as moças,
aparece a serpente rainha do grande lago. Assim que recusa os pretendentes, você se eleva
acima do nível comum e se coloca num nível de poder mais alto, de perigo maior. A
questão é: você está preparado para enfrentar o desafio?
Outro motivo dos índios americanos envolve a mãe e dois meninos. A mãe diz: “Vocês
podem brincar em volta das casas, mas não vão na direção norte”. É para o norte que eles
vão. Eis o aventureiro.
MOYERS: O que você conclui daí?
CAMPBELL: Com a recusa de pretendentes, com a ultrapassagem de uma barreira, começa
a aventura. Você adentra num terreno desconhecido, novo. Não pode haver criatividade a
menos que você abandone o delimitado, o fixo, todas as regras.
Existe uma história iroquesa que ilustra o motivo da rejeição de pretendentes. Uma garota
vivia com a mãe numa barraca, no limite da aldeia. Era uma garota muito bonita, mas
extremamente orgulhosa, e não aceitaria nenhum dos rapazes. A mãe vivia terrivelmente
aborrecida com ela.
Certo dia, elas estavam colhendo madeira bem longe da aldeia, quando uma escuridão
ameaçadora se abateu sobre elas. Pois bem, não era o escuro da noite. Quando uma
escuridão daquelas ocorre, há sempre a artimanha de um mágico por detrás. Então, diz a
mãe: “Vamos juntar alguns gravetos e fazer uma pequena barraca para nós; vamos colher
madeira e passar a noite aqui,”.
JOSEPH CAMPBELL
_____________________________________
– 172
E exatamente o que fazem; preparam uma pequena ceia e a mãe adormece. De repente, a
garota abre os olhos e vê um belo jovem diante dela, com um cinto de contas de conchas,
esplêndidas plumas negras... um tipo muito atraente. Ele diz: “Vim para me casar com você
e aguardarei sua resposta”.
E ela diz: “Preciso consultar minha mãe”.
Ela faz a consulta, a mãe aceita o jovem como genro e este dá ã mãe o cinto de conchas,
como prova da seriedade de sua proposta. Então ele diz à garota: “Esta noite gostaria que
você viesse ao meu acampamento”. E então ela parte com ele. Meros seres humanos não
eram suficientemente bons para essa garota; por isso ela agora tem algo muito especial.
MOYERS: Se ela não tivesse recusado o primeiro pretendente, que veio através da
convenção social rotineira...
CAMPBELL: ...não teria experimentado essa aventura. Ora, a aventura é estranha e
maravilhosa. Ela acompanha o homem ã aldeia dele, e eles entram na cabana. Passam
juntos dois dias e duas noites e, no terceiro dia, ele diz a ela: “Hoje vou sair para caçar”. E
parte. Mas assim que ele fecha a trave da entrada, ela ouve um estranho barulho lá fora. Ela
passa o dia inteiro sozinha, na choupana, e, quando a noite chega, ouve outra vez o mesmo
barulho estranho. A trave se abre, abruptamente, e uma prodigiosa serpente desliza para
dentro, com a língua dardejando. Pousa a cabeça no colo da moça e diz: “Agora cate os
piolhos da minha cabeça”. A garota encontra ali toda espécie de coisas horríveis e mata-as
todas; em seguida, a serpente ergue a cabeça e desliza para fora, e, num átimo, logo depois
de se fechar, a trave da entrada se abre e ali está, outra vez, o belo jovem, seu noivo. “Você
teve medo de mim quando eu entrei aqui, daquele jeito?”, ele pergunta. “Não”, responde
ela, “não tive medo algum.”
No dia seguinte, ele sai para caçar outra vez, e ela também sai, à procura de lenha para a
fogueira. A primeira coisa que ela vê é uma enorme serpente, se aquecendo nas pedras – e
outra e mais outra. Ela começa a se sentir muito estranha, saudosa e desanimada, e retorna à
cabana.
Nessa noite, a serpente reaparece, deslizando, volta a partir e retorna na forma de homem.
No terceiro dia em que ele se vai logo cedo, a jovem decide abandonar esse lugar. Ela deixa
a cabana. Quando está na floresta, sozinha, parada, pensando, ouve uma voz. Ela se volta e
ali está um velhinho, que diz: “Meu bem, você está em dificuldade. O homem com quem
você se casou é um de sete irmãos. Todos eles são mágicos consumados e, como muitos
dessa espécie, seus corações não estão nos seus corpos. Volte à cabana e, na sacola
escondida debaixo da cama daquele com quem você se casou, você encontrará uma coleção
de sete corações”. Este é um motivo xamânico, padrão, em todo o mundo. O coração não
está no corpo, por isso o mágico não pode ser morto. Você precisa encontrar e destruir o
coração.
O PODER DO MITO
_____________________________________
– 173 –
Ela retorna à cabana, encontra a sacola cheia de corações e começa a correr para longe,
quando uma voz a chama: “Pare, pare”. Obviamente, é a voz do mágico. Mas ela continua a
correr. E a voz exclama: “Você pensa que pode fugir de mim, mas não conseguirá”.
Exatamente nesse ponto, ela está começando a desmaiar, quando ouve outra vez a voz do
velhinho. “Vou ajudá-la”, ele diz. Para surpresa dela, ele a está puxando para fora da água.
Ela não sabia que estava dentro da água; quer dizer, com seu casamento, ela tinha se
movido para longe da esfera racional, consciente, direto para a área de impulsos do
inconsciente. É sempre esse o significado dessas aventuras subaquáticas. O caráter resvala
para fora do âmbito da ação controlada, na direção dos impulsos e eventos transpessoais,
que talvez possam ser contidos, talvez não.
O que acontece em seguida, nessa história, é que, quando o velho a retira da água, ela se vê
cercada por um grupo de velhos parados ao longo da margem, todos iguais ao seu salvador.
São os trovões, os poderes do ar superior. Isto é, ela ainda se encontra no plano
transcendente a que foi levada por recusar os pretendentes; somente agora, tendo se
separado do aspecto negativo dos poderes, ela entra na posse do aspecto positivo.
E há muito mais, ainda, nesse conto iroquês: essa jovem, agora a serviço dos altos poderes,
torna os capazes de destruir os poderes negativos do abismo, e, depois disso, é levada de
volta, no bojo de uma tempestade, à cabana de sua mãe.
MOYERS: Você contaria essa história aos seus alunos, – caso eles persigam a sua bem
aventurança, caso se agarrem às chances de suas vidas, caso façam o que desejam fazer –
como ilustração de que a aventura, em si, já é uma recompensa?
CAMPBELL: A aventura é a sua recompensa, mas é necessariamente perigosa, incluindo
possibilidades tanto negativas quanto positivas, umas e outras fora de controle. Estamos
seguindo o nosso próprio caminho, não O caminho do papai ou da mamãe. Com isso
estamos, sem proteção, num campo de poderes superiores aos que conhecemos. É preciso
ter alguma noção das possibilidades de conflito nesse campo, e, para isso, algumas boas
histórias arquetípicas, como esta, podem preparar nos para o que nos aguarda. Se formos
imprudentes e, ao mesmo tempo, estivermos inabilitados para o papel que nos destinamos,
esse será um casamento demoníaco, um verdadeiro desastre. Mesmo assim, porém, uma
voz de resgate talvez seja ouvida, para converter a aventura numa glória para além de
qualquer coisa jamais imaginada.


O Poder do Mito, Joseph Campbell

Nenhum comentário:

Postar um comentário