É o grande problema interior, aquele de cada um e de todos. É o problema da alma, que descobre em si mesma um abismo de trevas e de luz, que se contempla com uma mistura de encantamento e de pavor e se diz: "Eu não sou deste mundo, pois ele não é suficiente para me explicar".
Os grandes Iniciados- Édouard Schuré

7 de mai de 2012

Quem eu quero ser...

07/05/2012
7+5+5=
17
8





"Em última análise", costumavam dizer nossos antepassados, "a virtude é recompensada". Pode ser. Mas ainda não chegamos, de maneira alguma, à famosa última análise, e algumas intervenientes têm o fôlego muito comprido. Talvez seja melhor procurarmos outro enfoque do problema da inocência e da culpa, porque o fato é que somos todos inocentes - e todos culpados.
            Um significado da palavra "inocente" é ignorante. Só a ignorância se imagina inocente. Daí que cada um de nós tenha um peso duplo para carregar: o fardo da ignorância inocente e a pesada culpa que vem inevitavelmente a cada nova mordida que damos na maçã do conhecimento. Os dois pratos da balança da Justiça permanecem vazios, prontos para aceitar e receber a dualidade humana. Só na medida em que também aceitamos a nossa natureza dupla seremos capazes de abordá-la e compreendê-la."
Sallie Nichols- Jung e o Tarô- pág 164



Temos o costume de reagir as situações da vida através dos arquivos que já possuímos...
A partir de hoje quero estar presente para pesar cada acontecimento, sem lhes imputar o peso dos acontecimentos passados...
Chegou a hora de dar novas respostas...
Quero assumir 100% responsabilidade pela minha manifestação...
Deixo de vez a postura de vítima...
Não temos o conhecimento de todos os acontecimentos em todas as vidas que vivemos.
Então o que é justo? Quem pode se considerar inocente?
O que posso e vou fazer é assumir meus aprendizados e experiências...
Escolher e através das escolhas conectadas a minha essência me tornar quem eu quero ser.

Nenhum comentário:

Postar um comentário