É o grande problema interior, aquele de cada um e de todos. É o problema da alma, que descobre em si mesma um abismo de trevas e de luz, que se contempla com uma mistura de encantamento e de pavor e se diz: "Eu não sou deste mundo, pois ele não é suficiente para me explicar".
Os grandes Iniciados- Édouard Schuré

27 de jul de 2011

Limites claros... espaço para todos!!!

27/07/2011
9+7+4=
2


Para pensar este mito muito interessante sobre o 2 que vou transcrever aqui:

Número 2 - O Deus da União
     Para tornar-me Deus foi necessário aprender a unir as pessoas. Fui durante séculos o responsável pelo elo que mantinha unidos os seres humanos. Deveria manter todos unidos e ligados entre si. Imaginei que para isso acontecer precisaria atender a todos os pedidos e desejos dos outros. Assim sendo, criava com eles um sentimento de gratidão e confiança que firmaria nosso elo de união. Passei meus dias atendendo aos pedidos dos outros.

    Priorizava sempre as necessidades das pessoas. Valorizava os desejos alheios. E assim, fui firmando elos de ligação entre um e outro ser humano. No entanto, com o passar dos tempos, apesar de eu ter cumprido as exigências alheias, as pessoas se afastavam de mim. Iam embora e, dissolviam os elos da união.

    E por isso, tinha que recomeçar tudo de novo. Atender a todos pedidos. Ajudar as conquistas alheias. Viver os sonhos e desejos dos outros. Para poder firmar novos elos de união. Só que, com o passar dos tempos, depois de dedicar-me tanto, as pessoas iam novamente embora. Desfazendo os elos da união. Não entendia!

    Sempre as acompanhei. Fiz tudo que solicitavam. Dediquei minha vida atendendo a seus pedidos. Porque iam embora? Resolvi então perguntar a essas pessoas, porque abandonavam-me.

     Busquei respostas, e as encontrei.
     Disseram-me:
    - És na verdade gratificante ter alguém como você. Que nos acompanha. Que atende nossos pedidos. Mas, não é confortável saber que existe alguém para sempre ao nosso lado. Nos acompanhando. Há momentos que necessitamos estar sozinho. E, você não permite. Por isso, resolvemos nos afastar.

    Foi assim, que para tornar-me um Deus foi preciso que eu aprendesse, que somente com desprendimento mantêm-se a verdadeira e indissolúvel união. Quando permitimos que alguém siga o seu próprio caminho e adquira as suas conquistas, criamos com ela os verdadeiros laços de união. Não estamos unidos quando seguimos o caminho dos outros.

    Mas sim, quando proporcionamos a eles seguirem o seu próprio caminho. E assim, tornei-me a Divindade da União.

http://www.annamarya.com.br/num_mito_num2.php


De que forma lidamos com o 2 em nossas vidas?
De que forma formamos nossas uniões?
Temos espaço para sermos quem somos na presença de outros?
Deixamos que os outros manifestem quem são?
Eu desejo profundamente perceber os limites... inclusive os meus, para que eu não passe mais por cima dos outros e para que eu não deixe os outros ultrapassarem os meus limites...
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário