É o grande problema interior, aquele de cada um e de todos. É o problema da alma, que descobre em si mesma um abismo de trevas e de luz, que se contempla com uma mistura de encantamento e de pavor e se diz: "Eu não sou deste mundo, pois ele não é suficiente para me explicar".
Os grandes Iniciados- Édouard Schuré

1 de set de 2010

Movimento

dzarmobile.blogspot.com/2008/09/movimento.html



01/09/2010
1+9+3=
13/4

O número 4 representado pela cruz de braços iguais nos lembra que adquirimos segurança e autoridade sobre o que nos cerca através do movimento e não da estagnação. A cruz de braços iguais forma um ciclo dinâmico e podemos representar todas as manifestações através deste símbolo. Por exemplo: Uma pessoa (1), em determinado momemto da vida, escolhe se unir a outra em parceria (2), esta união pode gerar um fruto (3), que no meu exemplo vai se referir ao filho.  Desta maneira, forma uma entidade nova pela união deste três elementos: pai, mãe e filho. Formam portanto a família (4). De fora, a família é vista como uma unidade e deveria funcionar como tal. Mas para manter este esquema funcionando de forma saudável exige de todos os envolvidos um comprometimento e cooperação diários. Nós, seres humanos, de modo geral  não aprendemos a agir em cooperação. Não aprendemos a formar unidades no que quer que seja. Perdemos a capacidade de olhar o outro nos olhos e desta forma estar em comunhão com ele. Não temos objetivos comuns. Por isso não me espanto com tantos relacionamentos rompidos que nos cercam. Este ciclo foi feito para estar em movimento e dar frutos. Isso não significa a anulação de si mesmo em nome do outro, em nome da família, porque se assim fizermos não estaremos contribuindo com a parte que nos cabe, com o que só nós podemos fazer para formar a unidade. Para participar da unidade eu preciso primeiro existir e me dar o direito de SER. Hoje, o 4 nos convida a arregaçar as mangas e trabalhar para construir nossos relacionamentos no fluxo da vida. Solte-se, flua, viva, compartilhe. Dá muito trabalho deixar de competir, mas vale a pena. Quando olhamos para nossas vidas e sentimos gratidão pelo que estamos criando, pelas associações que fazemos e vemos tudo caminhar é realmente maravilhoso. Vamos deixar o medo e a estagnação (13) de lado. Coragem, assuma autoridade pelo que você manifesta em sua vida.

PS: Quero também deixar registrado aqui no blog minha gratidão pela parceria feita com minha amiga Pat, que ela possa continuar a nos trazer a consciência da unidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário