É o grande problema interior, aquele de cada um e de todos. É o problema da alma, que descobre em si mesma um abismo de trevas e de luz, que se contempla com uma mistura de encantamento e de pavor e se diz: "Eu não sou deste mundo, pois ele não é suficiente para me explicar".
Os grandes Iniciados- Édouard Schuré

7 de out de 2010

Perdoe-se

Abrace o que você tem de luz e o que você tem de sombra. Eu particularmente descobri que a minha sombra é bem legal. Sombra é tudo aquilo que negamos e que vai pro inconsciente. Eu por exemplo nego leveza... felicidade... simplicidade...


07/10/2010
7+1+3=
11


Estava pensando no 11 como o encontro que acontece dentro de cada um de nós. Quando no olhamos bem lá no fundo... em meio a todas as coisas que armazenamos, a todas as mágoas, a toda decepção e tentamos encontrar o que verdadeiramente importa. Este processo, passa inevitalvelmente pelo perdão. Para onde nos leva este encontro? Se você chegou até aqui não adianta querer fugir... é hora de encarar seus fantasmas... é hora de não mais se deixar pra trás... não mais se ignorar... O encontro do 1 com o 1 acontece agora... trancenda-se... para além do que jamais ousou pensar ser possível... deixe ir o que já não pode mais ficar... perdoe o que não pode ser... e principalmente perdoe-se...
Sincronicamente, recebi de uma pessoa muito querida, um texto falando exatamente a respeito disso. Recomendo a leitura do blog dela onde está transcrito parte do texto a respeito do perdão:  clique aqui!!!


Parte do livro MUDANDO PARA MELHOR
Kau Mascarenhas
a sala mal arrumada
Como uma sala mal arrumada
pode estar meu interior em alguns momentos.
As cortinas podem se mostrar fechadas,
voluntariamente guardando uma escuridão
tida como necessária.
Não me agrada encarar a poeira sobre o aparador,
nem aquela que já escondi embaixo do tapete.
Não me apraz mudar de lugar a estante,
nem me desfazer de bobas lições
dos velhos livros que ela insiste em me oferecer.
Não me anima tirar o forro do sofá,
e desnudar o tecido de trama gasta,
feita de fios que já deram o que tinham que dar...
Mas o inevitável novo invadirá a sala.
A paisagem mandará seu sol no tempo certo,
que violentará a vidraça
e que devassará, apesar da cortina, a bruma de dentro.
Haverá cântico abraçando o silêncio,
que fenecerá por não poder competir com gorjeios, e
ventos, e chuva no telheiro e ondas do mar...
No tempo certo, tudo acontecerá.
A sala se transformará e o ambiente será outro.
Estarei a contemplar, da poltrona mais confortável,
o novo cenário. Quadros novos na parede testemunharão
o dia-a-dia cheio de festa.
Outros, entretanto, estarão repletos de "talvez
tivesse sido melhor..."
De qualquer sorte, viverei ar renovado.
E brilharei com velas que, acesas, perfumarão noites serenas
e com alvorecer dourado me banharei no parir de um dia
outonal.
A sala será outra, meu interior se renovará.
O primeiro passo?
Pode já ter sido dado.
Que eu saiba viver o agora e fazer, com ele, o porvir.
Com calma, para não esbarrar nos móveis.
E com coragem, para escolher tornar concreto o aparentemente impossível.


Nenhum comentário:

Postar um comentário