É o grande problema interior, aquele de cada um e de todos. É o problema da alma, que descobre em si mesma um abismo de trevas e de luz, que se contempla com uma mistura de encantamento e de pavor e se diz: "Eu não sou deste mundo, pois ele não é suficiente para me explicar".
Os grandes Iniciados- Édouard Schuré

10 de abr de 2012

Achei tão bonito que quero repartir com vcs!!!!


"Onde foi parar sua alegria?


:: Izabel Telles :: 
Meu querido amigo,
Ontem naquele almoço de aniversário em que nos reencontramos não gostei nada do que vi.
Olhei você de longe e mais parecia uma planta murcha dependurada num vaso cuja terra estava seca e sem vida.
Todos riam e brindavam à aniversariante e só você se mantinha mudo e retorcido sobre a cadeira emanando uma energia de abandono, tristeza, medo e encolhimento.
Não pude deixar de sentir um nó no meu peito. Sim, porque não era esta a imagem que havia guardado de você dos nossos tempos de colégio.
Lembro-me de vê-lo cercado pela turma, nos intervalos das aulas segurando seu violão contra o peito e tocando de uma forma vigorosa e firme. Todos ficavam um pouco hipnotizados vendo seus dedos correrem ligeirinho pelas cordas, enquanto apertava seus lábios entre os dentes e fechava um pouco os olhos como se estivesse viajando dentro das notas musicais.
Onde anda seu violão?
Quantas vezes fui à sua casa e você ainda não tinha chegado da natação e quando abria a porta eu gostava de ver aqueles ombros largos recebendo alguns pingos de água que teimavam ainda em escorrer dos seus cabelos. A endorfina que seu corpo fabricava durante o exercício vinha refletida no seu sorriso largo. E a gente ia pro seu quarto e conversava até altas horas enquanto você dedilhava seu violão e falava ao telefone com seus amigos e amigas que, como você, estudavam pintura com aquele artista mega-talentoso. Sabe que eu morria de inveja de vocês?
Onde estão suas telas? Seus desenhos? E a natação?
E sua bicicleta? Ninguém saltava mais alto e fazia curvas em uma roda como você. Lembra as ruas do Morumbi? Você saia disparado por elas e trocava a bique pelo skate e despencava aquelas lombadas sibilando as rodinhas de aço no asfalto já marcado de tanto que a turma passava por aquele caminho.
Onde estão sua bicicleta e seu skate?
Outro dia andando na Rua da Consolação vi um cão como o que você tinha. E, naquele momento, veio à minha mente a imagem da gente brincando com ele no sítio do seu pai. Jogávamos uma pinha e ele saia correndo atrás e punha de volta na nossa mão. E quando a gente queria se jogar nas redes do terraço para dormir, ele vinha com a pinha e ficava raspando a pinha no chão pra acordar a gente e sair brincando de novo. Você falava uns palavrões pra ele e ele latia como se fosse sua mãe brava cada vez que você usava uma linguagem menos requintada.
Onde está o cão?

Eu também mudei. Sei que todos mudamos. E não foi pouco. Tivemos que ir pro mundo e batalhar o pão de cada dia. Casamos, parimos filhos e a realidade mudou muito. Já não somos mais inocentes. Já não temos mais a casa dos nossos pais ou avós onde o mundo sempre foi (e sempre será) uma ilha de descanso e aconchego. Estamos sós, nus, encarando o mundo frio que está com o pé da nossa cara.
E agora o que fazer?
O que fazer, cara?
Dar risada, levar tudo isso com menos seriedade e rigor, olhar com distância e criar o nosso mundo particular. E esse sim, pode ser mais colorido e mais quentinho.
Olha primeiro para você e ergue este corpo caído e sem vida. Olha pros teus filhos e pense no exemplo que está dando a eles. Se nosso mundo não foi exatamente como planejamos, não vamos estragar o projeto do mundo deles com pessimismo e desalento.
Afasta esta nuvem negra que cobre sua vida e deixa o sol entrar de novo no seu coração. Como diz o poema: toma mais sorvete e menos sopa, salta de pára-quedas, anda na chuva, solta pipa, liga pro seu pai e diz a ele que, apesar das diferenças, ele é seu pai; perdoa tua mãe por ela ter te deixado sozinho no berçário depois de você ter morado dentro dela por quase um ano. E constrói a sua vida do jeito que você acha que ela deve ser. Ensina novos valores pros teus filhos, ama profundamente a tua companheira por ela estar ainda do teu lado, agüentar suas crises de mau humor e raiva e muda o lado do disco da tua música emocional. E quer saber de mais uma coisa? Nada é mais importante do que construir uma família sólida, saudável, feliz. Esta é a grande vingança contra o descontrole que assola o mundo!
Conto com sua força nesta escalada rumo à felicidade.
Juro por Deus que nunca mais quero te ver se for para topar com este cara morto/vivo que senta numa cadeira e só levanta para ir embora. Pense imediatamente em voltar a participar da festa!
Conto com isso. E, claro, também com seu violão, sua arte, sua bicicleta e seu cão.
E você pode contar comigo. Também venho de uma genética suicida, triste e infeliz. Mas jurei desde pequeno que daria a volta por cima e que iria mudar o meu padrão familiar. Por isso às vezes as pessoas me acham meio pateta porque não estou nem aí com os filósofos do apocalipse e vou pra praia ver o pôr-do-sol. E ainda me emociono com a desova das tartarugas ou a dança dos golfinhos. E choro quando vejo uma face de Deus na cara de um clarinetista que toca nalguma orquestra de algum país do mundo que aposta forte na arte como forma de redenção.
Hoje em dia tenho aplicado meu tempo em criar alguns exercícios para fazer com a imaginação. Vou deixar um aqui se você quiser experimentar. Mas, se fizer, faça por, no mínimo, três meses ao acordar e antes de deitar.
E fica bem. Na alegria e na certeza de que a oração também tem poder de trazer luz e paz às nossas vidas. Portanto, acredite ou não, rezar ajuda muito. Crie suas orações e lembre-se do velhíssimo ditado: mente sã em corpo são. Portanto, malha seu corpo até sentir que ele está integrado à sua mente. E chama seu Grande Espírito para acender o pavio desta vela que é a vida de cada um. Cara, a gente nasceu para brilhar!

E aqui vai o exercício:
Saindo da nuvem negra

Sente como se fosse trabalhar. Respire como se fosse relaxar e feche os olhos para imaginar.
E imagine que você está dentro de uma nuvem negra. E aceite esta imagem como a expressão do seu mau humor, revolta, pessimismo, tristeza e desesperança. Respire uma vez e dê cinco passos à frente e veja esta nuvem mudando de negra para cinza, de cinza para branco e de branco para luz. Então saia deste lugar como quem sai de uma porta e imagine na sua frente o mundo perfeito que sempre sonhou criar. Crie este mundo, entre neste mundo e sabendo que pensamentos se transformam em realidade, acredite que tudo muda, se você quiser.
Sentindo-se renovado, respire e abra os olhos."
 


Nenhum comentário:

Postar um comentário